Agro NegóciosMilhoRadar Agro

Preço alto do milho afasta asiáticos

0

Dois grandes importadores sul-coreanos e o grupo de fabricação de ração de Taiwan, MFIG, voltaram ao mercado na quinta-feira para licitar as importações de milho, mas descobriram que os preços oferecidos ainda são muito altos em comparação com suas expectativas, disseram fontes do mercado.

Foi isso que afirmou a T&F Consultoria Agroeconômica nesta manhã. 

“A mudança veio porque se esperava uma atualização mensal muito esperada para o relatório Wasde do USDA ter um impacto de baixa nos preços do milho – mas, em vez disso, provocou alta, diante dos estoques finais globais eram mais baixos do que o esperado. Nonghyup Feed Inc (NOFI) abriu uma licitação para uma parcela de até 69.000 tons de milho, mas havia convidado ofertas apenas a um preço fixo FOB – um movimento raro de acordo com fontes comerciais e que havia levado a especulações de que o grupo estava testando a água. O embarque estava previsto entre 13 de novembro e 27 de dezembro e a chegada era para 10 de janeiro de 2021”, comenta. 

Outro grande comprador, a associação de processamento de milho da Coreia Kocopia, também estava procurando até 55.000 tons de milho não transgênico para a chegada de 25 de novembro, com carga prevista para 25 de setembro a 10 de novembro. “Ambas as associações haviam convidado ofertas da América do Sul, do Golfo dos EUA e da PNW, África do Sul e origens do Mar Negro Europeu, mas ambas finalmente deixaram passar as ofertas recebidas”, completa. 

“Enquanto isso, a associação de fabricação de ração de Taiwan MFIG também repassou sua oferta de 65.000 tons de milho de origem opcional para embarque de outubro a dezembro, com fontes alegando que eram “CBOT”. Na última oferta de milho coreana, que fechou em 6 de agosto, a NOFI reservou 69.000 tons de milho da Cargill para o período de embarque de 8 a 27 de outubro, pagando US$ 197,80/t CFR”, conclui. 

Fonte: Agrolink

Creditos Imagem: Imagem de Cornell Frühauf por Pixabay 

Gestão no Campo

Vegetariano ou vegano?

Previous article

Sem pesticidas, metade da produção agrícola do mundo não existiria’, diz Abrapa

Next article

You may also like

Comentários

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *